quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Visitando o Doente

  


David W. T. Brattston
Tradução Ruth Ferraz Byrnes

Como Jesus, você pode curar o doente ou fazer lhe sentir melhor.  Esta verdade foi compartilhada por cristãos que viveram num tempo,  que eles sabiam os escritos do Novo Testamento pessoalmente e podiam pedir lhes explicações de como eles foram escritos. O próximo artigo irá incluir estes autores não-biblicos para mostrar que os antigos cristãos abraçaram as mesmas ideias sobre cura como nos nossos dias.

Sem dúvida você esta familiarizado com as ordenanças de Cristo em Mateus 10.7-8 e Lucas 10.9 onde missionarios e outros pastores viajantes curam o doente antes de dizer lhes que o reino de Deus esta proximo. Poucos leitores terão ouvido de um escrito de um grupo menor  de primeiros cristãos chamado de Evangelho de Tomas.   Contudo diferente da maioria em muitas formas, ele repete os mandamentos e extende eles para todos os viajantes. Entretanto Marcos 16.18  abre a janela do poder de cura para todos os que verdadeiramente creem.


Curas cirstãs continuaram depois do primeiro século. Irineu, um bispo na  França, menciona elas enquanto ainda estavam no ano 180 depois de Cristo. O mesmo citou Clemente em Egito, encarregado da mais famosa escola cristã na época, Tertullian na Tunisia no começo de seculo terceiro (De Spectaculis 29; ver também seu Contra Marcion 5.8).

O sucessor de Clemente como encarregado da escola foi Origen,  que gravou em 240 d.C. que traços de dons do Espirito Santo, incluindo cura de doentes, permaneciam na igreja (Contra Celsus 1.46). Entretanto ainda acontecendo elas eram aparentemente menos comun do que em tempos apostolicos.

Junto com as curas, Origen considerou entre os dons do Espirito ser “uma maravilhosa mansidão de espirito e uma completa mudança no carater” (Contra Celsus 1.67). Ele pensava que a cura fisica era menos importante e menos indicativo do que o trabalho do Espirito Santo de misericordia e amor.  Mesmo se você não pode operar a cura, voce pode executar tal trabalhos.

O caminho chefe de ajduar os doentes e visita-los.  Lembre-se do ensinamento de Mateus 25.34-39 que são ações de misericordia e amor – tais como alimentar os famintos, visitar os prisioneiros, e procurar pelos doentes – que será recompensado no Céu. Isto concorda com Mateus 7.21-23, onde Cristo disse que  operar milagres não substitui tais trabalhos. O que nós fazemos para o doente nos fazemos para Cristo (Mateus 25.40). Visitar pode não curar o doente mas pode fazer os sintomas menos discomfortaveis e fazer suas vidas melhores, ainda que não perfeitas.

Visitar o doente era extremamente encorajado nos primordios da cristantade. Clemente cita Mateu 25.34-40 para lembrar cristãos de sua tarefa nos anos 190 (Quis Dives Salvetur 30). Tertullian fala disto como um fruto desejado de um feliz  casamento cristão (Para Sua Esposa 2.8). Outro antigo escrito cristão considera que esta é uma tarefa muito séria (Apocalipse de Zefaniah 7.4).

Perto 249 a. C., Tres Livros de Testimunhos 109 classificou visitar o doente ser um importante atividade cristã como perdoar pecados, ajudar o pobre, amar inimigos, e A Regra de Ouro – o que indica que cristãos que visitam o doente esta na mais alta consideração. O autor repete Mateus 25.36 e cita um outro autor: “Não seja negligente em visitar o homem doente; pois destas coisas serás fortalecido em amor”.

É particularmente apropriado o clero visitar o doente. Tiago 5.14 instrui oficiais da igreja para fazer também, adicionando que eles deveriam orar por eles e ungir com oleo. Um manual de igreja escrito cerca de 217 a. Cristo encorajava diaconos procurar quem estava doente e informar o pastor então que ele poderia visitar; pessoas doentes, disse, estam mais confortadas quando eles conhecem o pastor (seus “altos sacerdotes”) e estar com eles na mente (Hippolytus Apostolic Tradition 30).

Seu amor em atos tal como visitar doentes, pode fazer a situação do doente melhor. Mas pode você cura-los?  Lembre-se uma coisa: a Biblia não diz que a cura tem que ser sempre causada por um milagre; você pode contribuir para o bem-estar por meios comuns. Descrevendo boas ações cristãs no terceiro século, Bardesan na Siria,  inclui trabalhadores saudaveis dando o apoio do doente. Enquanto um martir para a Fé em cerca de 165 d. C. Anotou que era mais comum o fundo monetario da igreja ser usado para aliviar cristãos em necessidade financeira devido a doença (Justin Martin I Apology 67.6). Até a mais ordinaria pessoa poderia doar para missiões cristãs e hospitais e ajudar a curar o doente.
Enquanto os pais da igreja não viam milagres nas visitas e doações para o doente, eles usualmente consideravam curas milagrosas realizadas por Jesus e a evidencia do poder  divino, mas não consideravam necessaria que cada cura ser  sobrenatural. Amor divino era o único essencial para todas as curas.

De acordo com João 14.12, quem crer em Jesus fará maiores trabalhos do que os dEle. Contudo pessoas presenteadas  coma graça de cura divina nunca foram abundantes, certamente nem todos os Cristãos, a Biblia, e pais da igreja dizem que cada um pode fazer grandes trabalhos igual em amor em misericordia tal como os de Cristo. Visitando os doentes, cuidando dos seus corpos, e ajudando com suas finanças, nós podemos todos fazer o doente melhor  e  assim cumprir a lei de Deus.

Fonte: Revista ABOVE RUBIES, October 2014, número 90, pag. 27



Sem comentários:

Enviar um comentário