domingo, 5 de julho de 2015

Pai Nosso




Pai Nosso que estais no Céu
Santitificado seja o Vosso Nome
Venha a Nós o Vosso Reino
Seja feita a Vossa Vontade
Assim na Terra 
Como no Céu.

O Pão Nosso de cada dia
Nós dai hoje
Perdoai as nossas ofensas
Assim como nós perdoamos
A quem nós tem ofendido
E não nós deixei cair em em tentação
Mas livrai do mal.
Amem.

Lord's Prayer by Andrea Bocelli - PAI NOSSO por Andrea Bocelli



Casamento é os dois olharem na mesma direção: Jesus Cristo e a Salvação que Ele Traz



Por Ruth Ferraz

Hoje ouvi um testemunho de um casal que me tocou. A esposa disse:
 - "Casamento não é os dois olharem para cada um, mas os dois olharem na mesma direção".
 Eu acrescentaria que é os dois olharem para o Cristo, para o sacrificio que ele fez e relevar tudo, especialmente os momentos dificieis, buscando se apoiar na Palavra de Deus e na oração diaria em conjunto.

 A vida aqui é temporaria, em breve este mundo e tudo que nele existe passará mas o Senhor e sua Palavra permanecerão para sempre. E por falar em Palavra, aqui vai um versiculo que eu amo e que eu já o experimentei como verdade quando uma irmã em Cristo orou por mim: 

" A oração de uma pessoa justa é poderosa e efetiva." (Tiago 5.16)

Possamos ter um viver reto para sermos pessoas que tem uma oração poderosa e efetiva, "perto esta o Senhor daquEle que o invocam".

Que Deus POSSA abençoar a todos.    

A Educação que Moises e João Batista Receberam




Por Julio Severo

MOISÉS E AS MELHORES ESCOLAS, DO PONTO DE VISTA HUMANO

Deus precisa da educação controlada pelo governo para construir e usar um homem ou uma mulher? Talvez ninguém tenha experimentado tanto de uma educação desse tipo quanto Moisés. Como filho adotivo da filha do faraó, o governante do Egito, Moisés passou considerável parte de sua vida recebendo educação nas melhores universidades egípcias, que eram consideradas as mais avançadas da época. Em termos modernos, seria como estudar nas melhores universidades americanas. Livros de história modernos confirmam que a educação no Egito era avançada:

Muitos dos ideais e crenças modernos, assim como grande parte do conhecimento sobre o homem, tiveram sua origem no Egito. Os antigos egípcios desenvolveram o primeiro tipo de governo nacional do mundo. Produziram uma arte e uma literatura expressivas. Introduziram a arquitetura baseada na pedra e fabricaram o primeiro material adequado para a escrita, o papiro. Estabeleceram o ano de 365 dias, e os métodos básicos de geometria e cirurgia.[6]

Moisés passou quase 40 anos de sua vida estudando! Sua formação educacional nas universidades egípcias foi tão abrangente que ele se tornou, com todo o conhecimento e treinamento que ganhou, um homem com a capacidade de falar com eloqüência e realizar grandes obras e empreendimentos na área política, científica, social, filosófica e militar. “Moisés foi educado em toda a sabedoria dos egípcios e veio a ser poderoso em palavras e obras”. (Atos 7:22 NVI) Muito antes de ser usado por Deus, ele adquiriu uma fama e influência impressionante como pensador, filósofo, orador e empreendedor. Pelos padrões humanos, que valorizam apenas os diplomas, ele estava destinado ao sucesso das grandes carreiras.


Com toda a educação especial que recebeu, ele estava mais do que preparado para dirigir um povo, na esfera política e militar. Um dos seus primeiros atos, depois de anos de treinamento nas instituições de ensino egípcias, foi matar um egípcio que estava maltratando um hebreu. Embora muitas vezes dirija militarmente seus líderes, Deus não precisava do treinamento educacional e militar egípcio para usar Moisés para liderar o povo hebreu na sua saída do Egito. Por isso, Deus o levou para o deserto para remover dele a educação e preparação do Egito e lhe dar a educação e preparação do Senhor. Ali, depois de anos trabalhando com rebanhos de ovelhas e sem acesso a livros e outros meios para alimentar o vasto conhecimento cultural que ele havia adquirido nas universidades egípcias, ele perdeu sua capacidade para falar com eloqüência e coragem para realizar grandes obras (veja Êxodo 4:10,13). Quarenta anos de “treinamento” no deserto, sem acesso ao elevado conhecimento humano do Egito ao qual ele estava tão acostumado, o deixaram humilde em suas palavras e ações! Os longos anos que Moisés passou nas universidades egípcias foram também, na mesma proporção, os mesmos longos anos que Deus escolheu para moldá-lo e remover dele as marcas que a educação egípcia havia deixado no seu modo de pensar e agir.

Depois de passar 40 anos no deserto e ser “desmarcado” e “descontaminado” da educação egípcia, Moisés pôde ter o que todos os anos de estudo nunca lhe deram: abertura e sensibilidade para ouvir e atender à voz de Deus. Para remover dele toda socialização negativa que ele teve nas instituições de ensino, Deus o colocou numa situação em que não havia quase nenhum contato social, a não ser sua esposa, filhos e… a presença de Deus. Buscando a Deus profundamente na solidão do deserto foi uma experiência importante que o ajudou a se tornar um homem sensível e aberto ao Espírito Santo. Ouvindo a voz do Senhor, ele foi aprendendo sua vontade e foi poderosamente usado pelo Espírito Santo para ensinar o povo de Deus. Aliás, foi através dele que o Senhor deu a orientação de Deuteronômio 6:5-9, onde os pais são instruídos a assumir a educação total dos próprios filhos, marcando suas mentes para pensar e suas vidas para agir conforme o Senhor determina.

Moisés conhecia, de experiência própria, a educação em escolas institucionais. Conforme descreve o escritor Filo, da Antigüidade, ele estudou matemática, geometria, ciência, astronomia, poesia, música, medicina, hieróglifos, etc. Ele estudou tudo o que as universidades egípcias tinham para oferecer. Embora a instrução que ele recebeu no Egito o tenha marcado fortemente para falar e agir de acordo com a educação das melhores instituições de ensino daquele tempo, Apocalipse alerta que o sistema da Besta vai superar a educação egípcia, marcando muito mais profundamente o modo de as pessoas falarem e agirem. Naturalmente, o condicionamento da Besta na mente e vida das pessoas virá sob o disfarce de excelente educação humana.

Em Deuteronômio, Deus usa Moisés, um homem que tinha vasta experiência nas instituições humanas de ensino, para mostrar aos pais que a melhor educação ocorre no lar. Em Apocalipse, a Besta mostrará e obrigará todas as pessoas a aceitar como fato que a melhor educação ocorre nas escolas institucionais, fora da esfera da família e seus valores. O sinal ou marca na mão e na testa que a Bíblia revela indica o poder de uma educação sistemática que marca profundamente os estudantes em seu modo de pensar e agir. A diferença é onde cada sistema opera para marcar a vida das pessoas.

A freqüência obrigatória às escolas institucionais é cada vez mais a escolha do governo para as famílias. No entanto, a escolha de Deus nos dá a opção de escolher um jeito melhor de treinar nossos filhos academicamente, livres de interferência governamental.

A educação aprovada por Deus tem o lar como escola essencial, mas a educação futura ocorrerá longe da família e sua supervisão e acompanhamento moral e espiritual na vida das crianças. Essa educação futura ocorrerá sob a responsabilidade de governos e leis inspirados por uma potestade espiritual que quer condicionar os seres humanos a pensarem e agirem, em alguns aspectos, como animais ou como indivíduos maus, que não seguem nem respeitam os mandamentos de Deus, principalmente nas questões de sexo, família, filhos, aborto, homossexualidade, etc.



JOÃO BATISTA E A MELHOR EDUCAÇÃO, DO PONTO DE VISTA DE DEUS

A atual geração precisa das visitações de Deus. E a verdade é que ele tem prazer em visitar as pessoas para trazer cura, libertação, transformação e salvação. Se queremos criar e educar filhos que terão uma estrutura de vida espiritualmente forte para preparar as visitações que o Senhor deseja realizar neste mundo desesperado e necessitado, precisamos ter a disposição e abertura espiritual que o casal Zacarias e Isabel tinham. Eles estavam dispostos a sacrificar tudo por Deus e seus projetos divinos. Por causa dessa disposição, Deus lhes deu a honra e oportunidade de se tornarem os pais de João Batista, o homem que Deus usou para preparar o coração das pessoas para a vinda de Jesus Cristo.

João foi treinado de modo bem especial, desde o começo de sua vida. Ele nasceu bem na época do próprio nascimento de Jesus, e quase foi morto, pois em sua fúria contra a chegada do menino Jesus ao mundo o rei Herodes lançou uma campanha de perseguição contra as famílias da cidade de Belém, matando todos os bebês, na esperança de acabar com o Messias que havia nascido. Para salvar seu bebê da morte, Zacarias e Isabel pegaram João e fugiram para o deserto, onde passaram a viver escondidos das autoridades. Eles já eram muito idosos e provavelmente passaram seus últimos anos no deserto, protegendo e treinando seu menino especial.

Zacarias e Isabel, que eram pessoas muito dedicadas a Deus e vinham de famílias de sacerdotes, estavam muito bem capacitados para ensinar tudo sobre Deus e sua Palavra poderosa. Eles implantaram fortemente em João as verdades e mandamentos de Deus e lhe deram instruções básicas de como sobreviver no deserto. Pelas atitudes rústicas de João, nota-se que ele cresceu sem um convívio social “normal”. Mas Deus escolheu exatamente essas circunstâncias para treiná-lo para crescer diferente das outras pessoas. Homens e mulheres que têm uma missão especial de Deus em suas vidas são treinados, desde a infância, num modo de vida especial e diferente das pessoas “normais”. O treinamento especial de João mudou sua vida, fortaleceu seu chamado e moveu o Espírito Santo para derramar sobre ele a poderosa unção de Elias, um homem de oração que vivia nos desertos com Deus, um homem que foi profeticamente usado pelo Senhor para tocar uma nação inteira.

Do ponto de vista humano, João pode ter perdido muitas oportunidades de contato social, mas não houve perdas reais, conforme confirma Jesus: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa, a encontrará. Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma? Pois o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então recompensará a cada um de acordo com o que tenha feito”. (Mateus 16:24-27 NVI) Sua falta de contato social “normal” foi preenchida por Deus com um treinamento especial que o envolveu em contatos muito especiais: a maioria dos apóstolos de Jesus já seguia João muito antes de conhecerem Jesus. Ele teve o privilégio de dirigir o treinamento espiritual inicial de Pedro e outros discípulos de Jesus! Do ponto de vista espiritual, a educação que João recebeu foi muito útil e lhe deu uma estrutura forte que o capacitou a preparar o coração dos homens que fariam parte importante do ministério de Jesus.

Deus achou que era necessário que João fosse criado no deserto, com muitos sacrifícios para ele e para seus pais, a fim de que ele pudesse ficar distante de todo tipo de socialização e influência negativa que o desviasse do chamado divino para ele. A única educação que João experimentou em seu isolamento no deserto foi a instrução bíblica e pessoal que seus pais lhe passaram. Não havia mais nada para distraí-lo. Não havia nenhum outro tipo de influência educacional. Seu contato mais importante era a presença do Espírito Santo, os próprios pais e seus valores. E ele não foi o único homem de Deus a “perder” em favor de metas mais importantes. O próprio Apóstolo Paulo diz: “E não somente essas coisas, mas considero tudo uma completa perda, comparado com aquilo que tem muito mais valor, isto é, conhecer completamente Cristo Jesus, o meu Senhor. Eu joguei tudo fora como se fosse lixo, a fim de poder ganhar a Cristo”. (Filipenses 3:8 BLH)

Zacarias e Isabel morreram logo, porém seus ensinamentos e valores espirituais jamais morreram. “Filho, faça o que o seu pai diz e nunca esqueça o que a sua mãe ensinou. Guarde sempre as suas palavras bem gravadas no coração. Os seus ensinamentos o guiarão quando você viajar, protegerão você de noite e aconselharão de dia. As suas instruções são uma luz brilhante, e a sua correção ensina a viver”. (Provérbios 6:20-23 BLH) Eles mesmos deram aulas escolares para seu filho. Essas aulas foram ministradas juntamente com os ensinos da Palavra de Deus. A educação projetada por Deus tem o lar como escola e a Palavra de Deus como centro da educação, sob a supervisão e acompanhamento direto dos pais. Até mesmo distintos homens reconhecem que a melhor educação vem da Bíblia. Theodore Roosevelt, Presidente dos Estados Unidos, declarou: “Um conhecimento profundo da Bíblia vale mais do que uma educação universitária”.[7] Reconhecer uma verdade é uma coisa; pagar o preço para vivê-la é outra. Os pais de João Batista sacrificaram tudo para priorizar a Palavra de Deus na educação de seu filho.

Tudo o que Zacarias e Isabel ensinaram para João permaneceu vivo na alma dele, guiando-o na sua importante missão de anunciar e preparar a vinda do Messias. Com a educação no lar que recebeu dos pais, João pôde fazer o que, aos olhos de Deus, é o alvo mais importante de todo ser humano: viver a vontade e o chamado de Deus na terra.

A educação moderna e suas instituições formais podem parecer muito mais atraentes, sofisticadas e importantes do que a instrução cristã no lar, mas a educação institucional é um oásis traiçoeiro — cheio de promessas enganosas — cada vez mais controlado por governos para doutrinar sistematicamente as crianças. Esse controle e doutrinação é a principal característica do sistema da besta revelado no livro do Apocalipse. Em contraste, a educação escolar no lar oferece liberdade para as famílias fortalecerem e protegerem seus filhos moral e espiritualmente. Essa educação é realizável? No exemplo de Moisés e João Batista, Deus mostra que até mesmo no deserto, onde há escassez de recursos educativos e onde ninguém vê esperança de sucesso, ele pode educar e levantar grandes homens de caráter, integridade, sabedoria e coragem para liderar uma nação, treinar líderes e, principalmente, honrar o nome de Jesus Cristo. Assim, se Deus pode trabalhar no deserto para educar um homem ou mulher, quanto mais em casa!

Para as famílias cristãs, a educação no lar é essencial porque seu controle não pertence ao governo, mas aos pais. A educação escolar em casa dá aos pais a preciosa liberdade de colocar Deus e sua vontade no centro de tudo e treinar e capacitar a criança para se tornar um adulto equipado para fazer a vontade de Deus, glorificar a Pessoa de Jesus Cristo e ajudar a avançar, na sociedade e na vida das pessoas, um governo mais elevado: o Reino de Deus e seus valores. Assim, as crianças cristãs educadas no lar ganham a oportunidade maravilhosa de conhecer e obedecer a seu Mestre, Professor, Senhor e Rei e são treinadas, como foi João Batista, para ajudar homens e mulheres a se tornarem seguidores apaixonados de Jesus. Tal educação é perfeitamente possível quando se dá espaço livre e plenas oportunidades para Deus ser seu Capacitador.

sábado, 4 de julho de 2015

Tres Ancoras




Por Phil McCollum
Tradução Ruth Ferraz Byrnes


Casamento é uma maravilhosa benção ordenada por Deus, mas quando imperfeições humanas entram nesta relação, os mares do casamento as vezes tornam-se  tempestades. Depois de ser casada por mais de vinte anos com minha maravilhosa  esposa, Elaine, Deus tem ensinado me ‘tres ancoras” para manter-nos longe da tempestade que estava nos agitando.

Contrato Vinculativo

A primeira ancora é o contrato vinculativo que nos fazemos com Deus quando pronunciamos nossos votos na cerimonia de casamento. No altar nós declaramos que nós permaneceriamos casados por melhor ou pior, na riqueza ou pobreza, na doença ou na saúde, até a morte nos separasse.
Você já imaginou quantas pessoas só ouvem a parte de “melhor, riqueza, e saude”. Quando a vida tornasse uma tempestade com onde de “pior, pobreza e doença”,  tantos casais acabam sem considar a magnitude do contrato de casamento. Deus diz que Ele espera que nos cumpramos nossos votos, e que ele é melhor fazer um voto do que quebrar com Ele (Eclesiastico 5.4-6).  O poder nesta ancora é que uma vez nos assentamos em nossas mentes que nós estamos verdadeiramente comprometidos para o melhor ou o pior, e que nos estamos determinados a perseverar até o fim, então focar em consertar nosso casamento e melhor do que terminar ele.

O Inimigo Não é o meu Esposo

A segunda ancora é o entendimento que o inimigo não é o meu esposo. Quando nos estamos infelizes, é fácil acusar a pessoa mais perto de nós por nossas infelicidades. A Biblia diz nos em Efesios 6.12 que nossa batalha não é contra a carne e sangue, mas contra forças espirituais. Há um inimigo espitirual que procura roubar, matar e destruir nosso casamento (John 10.10). Se o inimigo pode influenciar maridos e esposas para se tornar um contra o outra, ele mina  nosso testemunho para o mundo, interfere com orações respondidas, e efetivamente enfraquece o corpo de crente.
Muitos anos atrás, minha esposa e eu estavamos envolvidos em um momento de “intensa amizade” (como um de meus amigos disse). Minha pobre esposa olhou para  mim como se eu tinha perdido minha mente! Depois que eu acalmei, eu nao podia crer que eu tinha dobrado tanto a minha forma. Mas tarde eu entendi que o inimigo estava tentando manter eu e Elaine afastados de um benção particular que Deus estava para nós revelar.

Amar sacrificialmente

A terceira, e provavelmente a mais importante ancora é aprender amar sacrificialmente, como Jesus amou a igreja. Todo amor envolve sacrificio. Leia esta sentença novamente. Nos vivemos em um mundo narcissistico que encoraja o egoismo, mas verdadeiramente felizes relações precisam de sacrificio. Eu tenho ouvido Collin Campbell frequentemente falar, “Casamento é um teste de vida-propria”. Isto é verdade! Casamento revela nossa condição espiritual. Fortunadamente, nos podemos mudar. Nos podemos tornar mais como nosso Salvador, que estava desejando lavar a sujeira dos pés de Seus discipulos. Um pequeno sacrificio (uma massagem no pé, uma comida favorita, um cartão, uma ligação telefonica) podem ir um longo caminho sobre acalmar uma tempestade na relação. Nós queremos que Jesus seja misericordioso conosco; nós devemos ser misericordioso com nosso conjuge.
O Presidente Theodoro Roosevel tem o credito do seguinte slogan: “Nada no mundo é valioso ter ou fazer a menos que ele signifique esforço, dor, dificuldade”. Um bom casamento é valioso ter! Ele é valioso esforço, dor, e dificuldade! Elaine e eu oramos que estes “ancoras”  que tem nos ajudado abençoarão seu casamento também.


Fonte: Revista Above Rubies, Março, 2015, pg. 91.