sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Do Suicidio para a Sanidade

 
                                  Chery e Terry Long com seus filhos e um netinho - Fonte Revista Above Rubies no. 80

Por Cheryl Long
Tradução Ruth Ferraz

Em 1996 meu mundo inteiro caiu. No começo de dezembro eu descobri que estava esperando minha quinta criança. Dois meses depois descobri que o meu marido estava tendo um caso. Ele admitiu que era a primeira vez que estava sendo infiel durante os nove anos de casamento. Apesar dos esforços para manter nosso casamento depois dos feriados de fim de ano, eu peguei meu marido com sua namorada logo depois da meia-noite do Ano Novo. Eu confrontei a mulher (embora ele não era uma de "quebrar votos"), tive um ataque, acertei meu marido, ataque meu casamento e desejei Feliz Ano Novo antes de ir para casa e embalar todos os pertences dele. Chamei a minha família e a dele no Dia de Ano Novo em 1997 para explicar. Ninguém podia acreditar - nós éramos um perfeito casal.


Nas próximas semanas eu contemplei me suicidar, Eu até planejei um aborto. Eu não vi como eu poderia educar todas as nossas crianças sozinhas. Eu odiei Terry pelo que ele tinha feito, mas também senti uma terrível saudade. Ele veio a mim um dia, parecendo como um naufrago, e disse me ele amava. E disse me que mesmo se levasse dez anos ele ganharia meu coração de volta. Eu senti-me doente. Como ele poderia ter meu coração de volta depois que ele colocou ele para fora.

Apesar de Terry queria "trabalhar com a situação" eu me recusei deixar lhe vir perto de mim. Ele concordou jogar com minhas regras. Quando ele estava escalado para ficar a noite com as crianças eu saia antes dele chegar, verificava se ele não ele estava atrás da porta para mim não ter de encara-lo.

As crianças tinham saudades do pai. Giggly pequeno Halley estava só com 18 meses  simplesmente parou de sorrir. Um dia eu escutei Emily (4 anos) e stephnie (9 anos)  conversando. Emily estava chorando e dizendo que ela queria o paizinho de volta para casa. Stephany respondeu: "Mamãe, não quer deixa-lo voltar". Elas estavam culpando-me! Eu pensei eu teria que fazer alguma coisa melhor para me cobrir.

Terry sugeriu aconselhamento de casais. Eu acreditei que não havia esperança mas eu pensei que se nos fossemos uma vez ou duas, eu poderia dizer para as crianças: "Mamãe tentou fazer o possível, mas não tinha jeito."  Minha melhor amiga sugeriu nós falarmos com o pastor que ofereceu conselho de "livre casamento."

- O Senhor me livre! Eu disse-lhe.

Eu não sabia muito sobre Deus, mas eu tinha ouvido falar dos 10 mandamentos e eu sabia que Terry tinha quebrado alguns. Eu pensei este pastor estaria do meu lado e daria me a aprovação de Deus para o divórcio.

Durante a primeira sessão o pastor sentou em nossa mesa de jantar e ouviu me os sórdidos detalhes de nossas vidas como Terry colocou sua cabeça naquela vergonha. Eu esperava que o pastor diria que nosso casamento não poderia ser salvo e que eu era justificada para o divorcio. Ao invés, ele falou sobre o propósito de Deus  para o casamento e como nos tínhamos sido pegado o caminho errado. Ele concordou em nos aconselhar cada segunda-feira a noite.

Umas poucas semana depois o pastor pacientemente explicou o caminho de Deus para a Salvação de nós. Eu não compreendi então ele repetiu. Depois da Terceira explicação ele finalmente perguntou:
-"O que você não compreendeu"
Eu disse:
- "Eu estou dizendo que eu posso ir a Deus só como eu sou: fumando, bebendo e com todos as coisas eu tenho feito, e Ele irá perdoar-me?"
- "Sim", ele sorriu.

Eu balancei minha cabeça. Eu honestamente acreditei que eu tinha que "lavar-me! e fazer eu mesma apresentável antes que eu pudesse vir até o Espírito de Deus e pedir perdão. O pastor pacientemente explicou que salvação é um livre presente de Deus e não  absolutamente eu precise fazer para receber este presente como um pessoal presente do Criador naquela mesma noite.

Terry começou mudar. Ele parou de usar "linguagem baixa" e começou a ler a Bíblia cada manhã. Ele tinha um propósito para sua vida. Eu, por outro lado, tornei mais controversa e amarga a cada dia. Finalmente, eu soube que eu não poderia continuar vivendo assim.

Eu tinha que fazer uma escolha: ou terminar com a minha vida ou aceitar Jesus Cristo. Eu não havia alternativa.

Uma noite quando Terry saiu para seu trabalho, eu ajoelhei-me no final da cama e falei com Deus. A principio eu me senti boba, mas continuamente dizendo lhe da bagunça eu tinha feito de minha vida.  Eu sentei na escuridão e confessei todos os pecados "maiores" eu pude recordar. Eu sabia que não havia nada que eu poderia fazer para salvar eu mesma for a deste poço. Eu pedi a Jesus para me lavar dos meus pecados e ser o Senhor da minha vida. Quando eu deixei o quarto eu me lembro eu pensando: "Não há volta".

Entre um ano de nossa conversação, nossas vidas estavam duramente reconhecível. Aqueles que conheciam nos estavam encantados com a transformação. As velhas feridas pareciam estar completamente curadas. Ainda quatro anos depois , uma questão persistia no meu coração. Se tudo havia sido perdoado, por que a memorias ainda eram dolorosas?

Em dezembro de 2000 nos estavamos preparando para o nascimento de nossa sétima criança. O que deveria ter sido um tempo de contentamento em minha vida estava ao invés por atormentado depressão. Gerados pela estação de Natal, os velhos sentimentos de insegurança ressurgiu a insegurança como memoria do passado sobrecarregando me. Eu olhei como um esposa e mãe mas meu espirito sobreveio com tumulto e caos. Eu sentia presa pela hipocrisia. Pelo final do mês eu senti tão eu começou a duvida da presença de Deus na minha vida e questionei minha salvação. Eembora eu não entendia na época, eu tinha finalmente chegado ao fim da confiança em mim mesmo.

Ficamos sabendo de um curso de intimidade do casamento e a igreja concordou em pagar o nosso caminho para dois fins de semana. Nos fomos ambos conscientes que se nos decidimos fazer  este estudo, todas a velhas feridas pudessem ser abertas novamente. Teríamos preferido evitar a dor mas sentimos ambos que o Senhor estava nos guiando para este caminho.

Nós começamos cautelosamente. O primeiro capitulo era muito iluminado e não doeu nem um pouco. Um olhar para o capitulo dois contudo, me causou pânico! Era sobre resolver amargura. Eu assisti o vídeo sozinha  primeira vez e chorei amargamente como que a emoção reprimida viesse a tona. Eu fiquei surpresa por tanto de amargura que estava dentro de meu coração. Não para Terry, essa dor era óbvio para mim, e para minha mãe.

A memoria brilhou na minha mente. Eu tinha sete anos. Minha mãe tinha recasado e deixado nos três crianças com nossos avós para terminar nosso ano escolar e só visitava-nos nos fins de semana. Eu não tinha visto-lhe por cerca de uma semana. Quando eu tinha sonhado que ela tinha morrido.  O sonho era horrível e eu ansiava por minha mãe abraçar-me em seus amorosos braços e tranquilizá-me que ela seria sempre de volta. Um dia ou dois seguiram-se deste sonho. minha mãe veio para uma visita. Eu corri para ela sem me conter e coloquei meus braços sobre ela com alegria. Ela simplesmente me empurrou e para o lado e afastou-se. Eu soluçava de dor por esta memoria.

Como sugerido no Terceiro Passo de Resolvendo Amargura da Infancia, eu compartilhei a dor com Jesus, pedindo-Lhe que viesse em minha dor e trouxesse paz.  Estas palavras vieram para minha mente: ! Eu havia assistido tudo sobre você!"  Eu obedientemente escrevi estas palavras sobre a apostila mesmo que eu não tinha acreditado.

Eu continuei trabando através da apostila e eventualmente comecei: "Meu Conjugê que Machucou-me". reviver memorias era doloroso como eu tinha imaginado, mas Deus era fiel para confortar meu coração.

Aquele primeiro fim de semana muitas questões estavam sendo resolvidos.  No sábado à tarde, quando Terry trabalhava com as dolorosas memorias eu tinha escrito a respeito o nosso casamento, ele olhava para mim com lágrimas e perguntava, "Como você pode perdoar me?" Eu tinha justamente estado refletindo sobre nossos pecados e chorado, "Você pergunta me como eu posso perdoar você?" a questão é "Como Deus pode perdoar-me?

Embora eu estava sobre a caminho para a cura e verdadeiramente desejava deixar a ir embora, toda a dor, amargura e falta de perdão, eu ainda sentia algum  acorde não conhecido do passado segurando. O Quarto Passo sugeria orar sobre a apostila por trinta dias, ou até a dor de cada incidente sumir, eu continuava a orar fielmente por cada questão todas as manhãs.

Em breve eu realizei que as questões que eu tinha com Terry não me magoavam tanto quanto as memorias dos incidentes de quando eu tinha sete anos. O dia anterior Terry e eu estávamos deixando nosso segundo fim de semana for a, eu senti que era temo de resolver esta questão completamente. Com os olhos da minha mente eu via esta patética pequena menina, pé com as bochechas manchadas de lágrimas, totalmente rejeitada e sem amor pela pessoa a quem ela amava mais do que qualquer pessoa no mundo. Meu coração doeu como eu chorei alto: "Jesus, você disse  que você estaria lá, onde esta Você?
 
Então eu vi Lhe de pé ao lado daquela pequena menina quebrada e deformada, com Seus amorosos braços ao redor dela. Ela ficou imediatamente confortada. "Eu amei você quando sua mãe não pode". Ele sussurrou para ela.

Terry e eu retornamos do retiro de casamento no próximo dia. Como o Espirito Santo revelou nos tinhamos nos rendido ao inimigo, nossos corações abertos e tornando-se ofertadas para o Senhor. No domingo de manhã, uma hora e meia antes de sair do retiro nós estavamos discutindo nossa familia. A preocupação de Terry, era Emily  nossa perigosa de oito anos. O Senhor mostrou-nos que  muitas lutas com ela foram devido ó seu coração que está sendo bloqueado. eu segurava a chave.

O Senhor me deixou pronta para compartilhar com Terry minha dolorida lembrança da infancia. Eu cheguei na parte sobre Jesus vindo para a pequena criança, eu não aguentei. Por muitos anos eu tinha sido impressionada com muita amargura. Eu não tinha sido livre para amar ou aceitar amor. Eu subitamente realizei que vendo Jeus no meio da minha dor era a chave para minha liberdade. "Emily estava ok". Eu sussurei através de lágrimas.

Quando nós deixamos o comodo pela última vez, eu senti como eu estava literalmente entrando na luz. Meu coração cantava alegremente enquanto Terry carregava o carro. Nós decidmos ver minha manhã antes de ir para casa e eu tive a mais gratificante visita com ela. A raiva e a amargura estavam completamente resolvidas em meu coração e substituida por um intenso amor por ela. Antes, eu era rapida para reconhecer e criticar suas falhas; agora eu era livre para olhar sua  força e a bondade em seu coração.

Tão logo nos entramos em nossa casa notamos um cartaz que as crianças tinham feito: "Bem-vindos ao Lar, mamãe e papai e Isaac". Meu coração pulou de alegria.

Emily era a primeira a esperar na porta: "Mamãe, mamãe, Eu senti tanta saudades de você", ela falou. Eu coloquei meus braços ao redor dela."Eu amo tanto você, Emily." Eu chorei. Ele olhou para mim com genuino dicernimento. "Mamãe o que esta errado". Eu coloquei sua face em minha mãos. "Eu amo você, Emmy Jo, e Jesus ama você também. Ele sabe que voce precisa ser amada de um modo especial. Sua mamãe e seu papai sabianm como Ele enviaria nos neste fim de semana para consertar nossos corações."

Lágrimas rolaram em sua bochechas. Eu nunca vou esquecer o lindo sorriso sobre sua face enquanto eu lhe dizia, "Você é minha preciosa Emily e eu amo você com todo o meu coração. Ela caiu em meus braços e ficamos lá por algum tempo, só nós duas, chorando e agarrando-se uma a outra.

Nós saimos do carro juntas enquanto Tery veio para fora da casa. Ele tinha assistido-nos. Ele pegou Emily no colo e em seus braços. "Você não sabe quão longo eu orei por isto," ele disse enquanto ele  sorriu através de suas lágrimas.  Naquele dia o Senhor começou a curar o coração de Emily enquanto Ele tinha feito com o meu.

Dezembro 2001 deslocou-se sobre mim, e logo foi varrido e da correria da temporada.  O Segundo sábado pela manhã em Dezembro Terry enviou-me para fazer alugmas fazer algumas compras sozinha - um raro prazer!

A questão saltou em minha mente: "É dezembro! Como você sente" Eu considerava este um momento antes de responder alto; "Bem, eu naõ estou estressada, ou ansiosa, ou triste ou deprimida". Eu senti um fluxo de alegria enquanto eu continuava, "Eu  não experimentei nenhuma lembrança esmagadora nem eu chorei uma lágrima de arrependimento. Pai!" Você tem feito um milagre em meu coração!"

Deus relembrou-me disto justamente um momento antes de eu ir para aquele mesmo lugar de pizza que Terry tinha um vez trabalhado. Eu não tinha voltado lá por cinco anos! Com meu espirito crescendo, eu pulei para fora do carro para ir para nova livraria crista e levanter minhas mão e louvar ao Senhor pela sua misericórdia e fidelidade. Quando era hora de sair , eu dirigi  para a porta de trás daquela lugar de pizza que eu tinha irremediavelmente saiu da em 1o. janeiro de 1997 e as palavras: "Esta terminado", veio na minha mente. Eu estava relembrando o meu pensamento quando eu tinha travessado a  mesma porta cinco anos antes dizendo: "Esta terminado".

Eu chorei lágrimas de alegria enquanto eu refletia como o Senhor tinha nós livrado. Ele tinha consertado meu coração quebrado e restaurado meu casamento. O que Ele tinha feito em minha vida, ele pode fazer na sua. Ele esta procurando por corações quebrados que estam desejando se render a Ele e colocar suas vidas em Suas mãos capazes.

Fonte: www.aboverubis.org
           Above Rubies Magazine, número 80, páginas 21-23

Visite o Blog de Cheryl Long: www.treasuresfromashoebox.blogspot.com

Sem comentários:

Enviar um comentário