quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

A Dor da Maternidade


Por Courtney Girdwood
Tradução Ruth Ferraz Byrnes

Eu amo tanto as minhas crianças que as vezes dói! Maternidade traz me tanta alegria, ainda que seja a mais assustadora e esmagadora tarefa.   

Uma dia lhe são entregues as mais lindas, maravilhosos presentes. Você olha com espanto maravilhado e respira a doce fragrância de uma nova vida. Você não  consegue entender como este pequeno ser humano será sempre mudado  o mundo como você o conhece. Ou, como a sua própria vida como você a conhece, vai mudar para sempre.

Um dia você esta uma Mãe, coisas nunca se preocupava podem derepente acontecer principalmente em sua mente. Você encontra você mesma conferindo duas vezes se as portas estão trancadas antes de você ir para a cama. Você sempre procura ter a certeza de que vocês estão de cinto de segurança. Você pede duas camadas de protetor solar em caso de precisar. Você faz a “prova do bebê” para tudo.

Maternidade é tão assustador. Vida não sobre você mais. Não somente faz você preocupada sobre suas crianças estarem bem, mas também sobre você estar bem. Depois que eu me tornei uma mamãe, eu encontro eu mesma constantemente orando para Deus proteger-me, porque, segindo o pensamento de perder uma da minhas crianças e o pensamento de elas perderem me.

Eu oro mais do que eu já tinha orando em toda a minha vida.  A vida é tão imprevisivel e nossas crianças estão a mercê deste perigoso mundo e tem um inimigo que quer nada mais do que devora-las. Esta realidade dirigi-me para os meus joelhos, diariamente. Todos os dias eu tenho dado os meus medos para Deus e pedido Lhe para ajudar me amar meu pequeninos enquanto confiando  lhe totalmente com seu cuidado.


A parte mais dificil de ser uma mãe é saber que em algum ponto minhas crianças irão sofrer. Sofrer é uma parte inevidavel da vida. Algumas de nossas crianças tem já experimentado isto e eu não posso expressar quanto a dor me faz saber que não há nada eu possa fazer para impedir eles de passar por isto.

Muitas vezes eu tenho visto uma de minhas crianças em dor e desejado eu pudesse tira esta dor. Eu tiraria qualquer quantidade de sofrimento  se isto significasse que minhas crianças não tivessem que sofrer. Lágrimas formam em meus olhos no momento em que eu penso que um deles tornando-se doentes,  com facções de desespero, tendo os seus corações quebrados ou cometendo erros  que para sempre alteração seus futuros. Eu frequentemente penso em Maria.  O que deveria ter sido quando ser a mãe de Jesus e testemunhar a sua tortura e morte?

As vezes eu me pergunto por que Deus me chamou para ser mãe. As vezes a tarefa parece tão grande  para suportar que meu coração sente como ele poderia quebrar em milhares de pedaços. Eu amo minhas crianças tão profundamente que as vezes eu me pergunto se eu posso controlar isto. E ainda, meu Deus ama a eles ainda mais. Ele ama me ainda mais. Ele ama você ainda mais.

Maternidade é a perfeita imagem do amor de Cristo por nós. Ele viu nos sofrendo num escuro e pecador mundo. Ele veio para nós salvar de uma eternidade de sofrimento. Ele tomou nosso lugar e pagou o ultimo preço. Ele amou nos este tanto. Meu amor por minhas crianças é só um cisco em comparação com Seu amor por nós.

Cada dia eu coloco meus tesouros nos Seus pés. Eu coloco meus medos, minha dor de cabeça, e minha eu meu desejo de proteger eles,  nos pés da cruz. Eu oro que Deus dê me tudo que eu preciso para ser uma boa mãe, cuidando deles bem, sendo um bom exemplo. Eu peço que ele providencie me a força para enfrentar  tudo que venha em nosso caminho.

Eu agradeço lhe pelo incrivel previlegio de ser chamada de mamãe. Eu agradeço-lhe por cda dia que eu tenho para experimentar a pouco de Seu vasto que Ele tem dado a mim por meus tesouros.

“Possa você ter o poder de compreender, como todas as pessoas de Deus, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.
(Efesios 3.18-19)



Fonte do Texto e da Imagem: Above Rubies Magazine, October, 2010

Sem comentários:

Enviar um comentário